Há cerca de dois meses que utilizo de forma assídua a tablet, pelo que está na altura de vos transmitir a minha opinião. Lamentavelmente não fiquei satisfeito com o resultado final do vídeo que tinha prometido, motivo pelo qual este post apenas conterá texto e imagem. Num futuro próximo, com uma camera HD (Sanyo Xacti), será mais fácil cumprir esse desejo.

Mas passemos ao que realmente interessa: a minha opinião. Quando Steve Jobs apresentou este produto no início do ano, a definição inicial seria um gadget que se enquadraria num patamar intermédio entre um netbook e o computador pessoal . Muitas dúvidas surgiram nessa altura sobre o sucesso comercial do iPad, mas os números não enganam: a Apple conseguiu mais um produto vencedor.

Os alicerces deste produto assentam na excelência da sua construção, com destaque óbvio para o display. É um facto que em termos estéticos se assemelha bastante a um iPod Touch em formato esteróide, mas não duvidem por um segundo da sua qualidade. Passo a explicar:

Prós

  1. Autonomia de Bateria (10 a 12 horas)
  2. App Store com 25.000 aplicações específicas
  3. Mobilidade extrema

Um dos meus grandes receios era a capacidade de autonomia, sobretudo quando utilizasse mais recursos do processador. Foi esse um dos principais motivos pelo qual optei pelo modelo Wifi e não estou arrependido. Consigo retirar vários horas do iPad, chegando por vezes a estar uma semana sem o carregar, o que é excelente. Paralelamente, tenho ao meu dispor a App Store, que sem dúvida fornece a este dispositivo todos os meios para se tornar num produto apelativo, sendo neste momento uma plataforma importante em termos de videojogos, com várias empresas de renome associadas ao projecto.

Mas o iPad é muito mais do que videojogos, disponibilizando conteúdos diversos, dos quais destaco e-reading, redes sociais, media e ferramentas de produtividade. Na minha opinão, é um excelente complemento ao computador pessoal e um óptimo gadget para nos acompanhar em viagens e períodos de férias.

Contras

  1. Sistema Fechado
  2. Funções limitadas (impressão, tethering, multitasking, flash, entradas USB e HDMI, etc)
  3. Display glossy, demasiado reflectivo

Como em qualquer produto, existem pontos positivos e negativos. No caso deste tablet, a minha insatisfação está direccionada para as restrições do próprio sistema, que se fecha demasiado, bem ao estilo da Apple. Um claro exemplo é a impossibilidade de criar um screencast, o que arruinou por completo os meus planos para esta review. Não compreendo igualmente o facto de não existirem portas USB e HDMI e de o iOS 4.2 só chegar no final do ano, quase 6 meses após o lançamento no iPhone.

No que diz respeito à função de E-Reader, o iPad tem uma restrição muito importante: o écran reflectivo. Em dias de sol ou de elevada luminosidade, torna-se quase impossível ler, ao contrário do que acontece por exemplo num Kindle.

A quem pode interessar este produto?

Quem pretender um aparelho que lhe permita efectuar navegação básica na web, gerir o email e oferecer entretenimento, deve comprar um netbook. O iPad não vai substituir o portátil, mas sim complementar. No meu caso utilizo para gestão email, redes sociais, jogos, vídeos e claro o visionamento dos meus podcasts preferidos no conforto da cama, uma feature verdadeiramente épica!

O preço pode ser um entrave, apesar de manter a ideia de que 499 euros é um valor aceitável. É certo que nos próximos meses sairão inúmeros produtos semelhantes, a correr Android e a valores mais apelativos, mas a qualidade continuará a fazer pender a balança para o lado da Apple.

Sou um cliente satisfeito com o iPad, que recomendo sem hesitação, mas recuso terminantemente comparações com o Kindle, dado que são produtos diferentes, com funções igualmente distintas. Caso pretendam única e exclusivamente um E-Reader, comprem um Kindle, que é claramente a melhor opção no mercado actual.

The following two tabs change content below.

hugocardoso

Criador / Fundador do Portal Pessoal
Membro da fantástica colheita de ©1978. Utilizador de . Adepto do SLB, LA Lakers e Colorado Avalanche. Entusiasta de Retro Gaming, Cinema e BD. Colecionador de Estátuas & Figuras. Fã #1 de Muttley, o 🐶

Últimos artigos de hugocardoso (Ver todos)

Total de comentários: 5

  1. A utilizar Safari 4 Safari 4 em iPad iOS 3.2.2 iPad iOS 3.2.2

    A Samsung Galaxy tab e o Hanvon DC10 sāo interessantes mas o preço (800 euros) pouco competitivo deita tudo a perder…

  2. Dextro diz:
    A utilizar Firefox 3 Firefox 3 em Windows 7 Windows 7

    Realmente a tablet da Archos deixou-me tentado especialmente ao ver que os retailers por cá estão a apontar para cerca de 335€ da versão mais cara.

  3. A utilizar Safari 5 Safari 5 em Mac OS X 10.6 Mac OS X 10.6

    Estou entusiasmado com o futuro das tablets. Em termos de Android o que vi até agora é bastante fraco, mas a Samsung promete entrar na luta com o Galaxy Tab. Duvido é que o preço seja competitivo (800 a 1000 euros).

    Estou curioso para ver a nova tablet da Archos, que já vai integrar a mais recente versão do Android (Froyo). Vão ser tempos curiosos… mas palpita-me que a Apple vai continuar a liderar o mercado.

    Daqui a 3 meses fazemos o balanço. A competividade é saudável e beneficia o consumidor, por isso venham de lá tablets como se não houvesse amanhã.

  4. Dextro diz:
    A utilizar Firefox 3 Firefox 3 em Windows 7 Windows 7

    O sistema fechado continua a deixar o iPad totalmente de fora das minhas opções. Sim, começo a ver a utilidade de algo do género mas se não posso sequer fazer uma aplicação para lá (dado não ter um mac) não me serviria de nada e lamento que te diga: há quem construa produtos com android com tanta qualidade de construção como a Apple 😉

Participa no debate. A tua opinião é fundamental.