O Bicampeonato

Jorge Jesus tem certamente um estilo único e é inegável que trouxe títulos para o Sport Lisboa e Benfica mas durante estes seis anos ainda não me tinha convencido a 100%. Passo a explicar: o seu primeiro ano foi de futebol espectáculo mas é importante relembrar que tinha uma das melhores equipas do Benfica a nível interno dos últimos 20 anos. Na temporada seguinte, fomos goleados no Dragão e eliminados de forma inglória da Taça de Portugal e da final da Liga Europa pelo FCP e Braga respectivamente. Seguiram-se dois anos em que entregámos os campeonatos a Vítor Pereira, com claro demérito do nosso treinador e equipa técnica.

A redenção foi alcançada na temporada transacta, com a vitória em todas as competições nacionais e mais uma final europeia perdida de forma indiscritível. E assim chegamos a 2014/2015, com a perda de seis titulares (Oblak, Siqueira, Garay, Enzo, Markovic e Rodrigo), entre outros jogadores importantes, uma pré-temporada repleta de derrotas e um início de campeonato complicado e sem futebol de qualidade. E é precisamente neste campo que dou total mérito ao treinador, dado que foi o grande responsável por este bicampeonato ao criar uma equipa forte, com personalidade e eficaz na maioria dos jogos. Jardel fez um temporada brilhante, Pizzi foi o joker que surgiu em 2015 e Jonas a peça que faltava para ligar a equipa ofensivamente. Pelo meio, fomos adicionando algumas pérolas para lapidar (Cristante, Mukhtar, Gonçalo Guedes, Jonathan Rodriguez) e integrando alguns talentos como Samaris e Talisca.

Em suma, com um plantel muito limitado, com claras carências a nível qualitativo em várias posições, conseguimos ser a equipa mais consistente, graças ao trabalho de Jorge Jesus. Não me esqueço que deveríamos estar a festejar o quarto título consecutivo mas aprendemos com os erros e o futuro é promissor. Nesta fase, espero que o treinador renove contrato, embora considere que a actual estrutura é capaz de suportar uma mudança sem grande danos. O mais importante é criar um plantel com mais soluções e garantir a permanência de referências como Maxi Pereira, Salvio e Gaitan.

No imediato, ainda existem dois jogos contra o Marítimo, sendo que um deles vale a vitória na Taça da Liga, competição que considero relevante e importante. Agora é tempo de festejar, descansar e manter a atitude competitiva nos 100%, sem facilitar ou menosprezar o adversário.

The following two tabs change content below.

hugocardoso

Criador / Fundador do Portal Pessoal
Membro da fantástica colheita de ©1978. Utilizador de . Adepto do SLB, LA Lakers e Colorado Avalanche. Entusiasta de Retro Gaming, Cinema e BD. Colecionador de Estátuas & Figuras. Fã #1 de Muttley, o 🐶

Últimos artigos de hugocardoso (Ver todos)

Participa no debate. A tua opinião é fundamental.